Pedro Menezes - janeiro 2024

“Maior investimento que o setor precisa são complexos para grandes convenções”, diz CEO da TSBetc

SÃO PAULO – “O maior investimento que o setor de turismo e eventos necessita hoje são complexos que acomodem grandes convenções”. A afirmação é de Renato Amaral, CEO da TSBetc, agência de incentivos e Live Marketing com mais de 30 anos de experiência no Brasil, ao comentar, em entrevista ao M&E, sobre a retomada e a consolidação das viagens de incentivo e da realização de grandes convenções das grandes empresas nacionais e multinacionais com atuação no país.

“Enquanto centros de eventos e complexos hoteleiros com infraestrutura para eventos continuarem abrindo, terão público. Todo mundo que tiver apetite, também terá um grande horizonte. Este é o maior investimento que o setor necessita. Há muitos clientes que, muitas vezes, não gostam de gastar ‘rios de dinheiro’ em grandes resorts, mas é justamente onde estão concentrados os grandes centros de convenções”, disse o CEO da TSBetc.

“Enquanto centros de eventos e complexo hoteleiros com infraestrutura para eventos continuarem abrindo, terão público. Todo mundo que tiver apetite, também terá um grande horizonte. Este é o maior investimento que o setor necessita”

Segundo ele, o resort tem a vantagem de justamente trabalhar outras frentes em períodos em que as viagens de incentivo e as grandes convenções não acontecem, como, por exemplo, nos meses de dezembro e janeiro. “Ou seja, só é possível fazer grandes convenções dentro de grandes resorts. E essas propriedades com apartamentos conseguem gerar dinheiro o ano todo, com feriados, férias e o turismo de lazer, sem precisar ficar com toda a estrutura fechada nestes períodos”, frisou Amaral.

“A gente tem um mapa interativo próprio com a disponibilidade de cada resort ou centro de convenções em todo o Brasil. A procura é tanta que tem empresa querendo fazendo pré-reserva para centro de convenções de hotéis que ainda nem inauguraram”

Com DNA no Turismo e focado em viagens de incentivo e logística de eventos, caso a TSBetc receba hoje um pedido para realizar um grande evento neste ano para mais de mil convidados, por exemplo, ela informará que não há espaço disponível. Segundo Renato, a realização de eventos e as viagens de incentivo voltaram com tudo, mas a infraestrutura brasileira para comportar grandes eventos é limitada e, na maioria das vezes, ligada a resorts que têm espaço físico para comportar produções de grande porte.

“A gente tem um mapa interativo próprio com a disponibilidade de cada resort ou centro de convenções em todo o Brasil. A procura é tanta que tem empresa querendo fazendo pré-reserva para centro de convenções de hotéis que ainda nem inauguraram”, disse ele. “É só ligar para os grandes centros de convenções de São Paulo, como São Paulo Expo, WTC e Renaissance, por exemplo, para você vê se encontra dias seguidos neste ano para realização de eventos de grande porte. Não tem!”, complementou.

DNA no Turismo e operação 360º

Focado na logística de eventos, campanhas de incentivo e marketing promocional, a TSBetc é 100% Mice. A empresa não faz vendas B2C e nem tem canal de lazer. “Hoje atendemos grandes empresas com Hyundai, Honda, iFood, e Laboratório Farma, por exemplo, voltados para logística de eventos e viagens de incentivo. Temos um share muito bem dividido hoje, sendo 45% Mice e 55% Live Marketing, o que nos permite ter uma operação 360º”, destacou o CEO.

Segundo Renato Amaral, hoje o cliente entra em contato para comprar uma convenção e termina com hotel, transfer, passagens aéreas, cenografia, ativação, ou seja, um pacote completo. “Retomamos muitos clientes que em 2022 não tinha feito nada e que agora decidiram voltar para o presencial. Tivemos, em 2022, uma demanda reprimida absurda para atender e, já naquele ano, alcançamos o mesmo faturamento de 2019. Em 2023, projetamos crescer 24% e crescemos 25% em relação a 2022”, destacou.

Tendências de 2024

A TSBetc continuará focando em campanhas de incentivo, mas desta vez com premiações de viagens com maior valor agregado e com menos pessoas contempladas, o que torna a experiência única. “Agregar experiências dentro de uma viagem de incentivo acaba marcando muito e criando vínculo com a marca. É o caso de levar algum premiado para o GP de F1 de Mônaco, em hotel cinco estrelas e acesso ao paddock, por exemplo, e tudo mais, o que cria uma fonte de desejo”, disse ele.

“Agregar experiências dentro de uma viagem de incentivo acaba marcando muito e criando vínculo com a marca. É o caso de levar algum premiado para o GP de F1 de Mônaco, em hotel cinco estrelas e acesso ao paddock, por exemplo, e tudo mais, o que cria uma fonte de desejo”

Outra tendência está nas viagens de learning (viagens de conhecimento). “Hoje, por exemplo, uma empresa leva um grupo para a China para entender como é a logística do Alibaba. Ou então para Israel e entender o mapeamento de plantações numa área não irrigável. Ou, por que não, levar para o Vale do Silício e mostrar com as mídias sociais podem fazer aquela determinada empresa vender melhor. É uma viagem de relacionamento, de incentivo, de aprendizado e que transforma o business”, destacou Renato.

A chegada a Portugal

Como vimos aqui no M&E, a TSBetc iniciou oficialmente sua operação na Europa com a inauguração de um escritório em Portugal, mais precisamente na cidade do Porto. Com um investimento inicial de 1,5 milhão de euros, o objetivo e oferecer ao mercado português a expertise em eventos, convenções, feiras, incentivos, logística, ativações de marca e inovação. Atualmente, a empresa conta com  quatro clientes em terras portuguesas.

“A ideia de expandir para Portugal surgiu a partir de 2019 quando a gente atendia uma operação de feiras muito fortes na Europa. A partir daí, começamos a criar projetos de estande para esses clientes, mas chegávamos lá fora para executar e havia uma grande carga tributária. Isso ficava fora do nosso budget e consequentemente ficávamos fora da concorrência. Logo, vimos que precisávamos abrir uma base operativa na Europa e entendemos que Portugal faria sentido pela facilidade de língua e pelo volume de brasileiros que estão lá hoje”, revelou Renato.

“Vimos que precisávamos abrir uma base operativa na Europa e entendemos que Portugal faria sentido pela facilidade de língua e pelo volume de brasileiros que estão lá hoje”

Com isso, a TSBetc começou um trabalho de busca de fornecedores europeus. “Nossa equipe de produção é brasileira e consegue entender a urgência do cliente e a nossa linguagem. Em Portugal, temos uma equipe comercial de quatro portugueses contratados para abrir mercado em Portugal, Espanha, Itália e toda a Europa. Estou indo essa semana para fazer uma reunião com pessoal de Angola e também iniciar um trabalho em continente africano. Tudo aconteceu muito rápido”, finalizou o CEO.